Páginas

               

Resenha - A herdeira

Eaí, meus amores?
Enrolei muito mas finalmente trouxe a resenha do tão esperado pelo fandom inclusive por mim  .. A herdeira!
Antes de tudo queria avisar que, a partir de agora, junto com a resenha vou colocar também a sinopse do livro.

Sinopse: Vinte anos atrás, America Singer participou da Seleção e conquistou o coração do príncipe Maxon. Agora chegou a vez da princesa Eadlyn, filha do casal. Prestes a conhecer os trinta e cinco pretendentes que irão disputar sua mão numa nova Seleção, ela não tem esperanças de viver um conto de fadas como o de seus pais… Mas assim que a competição começa, ela percebe que encontrar seu príncipe encantado talvez não seja tão impossível quanto parecia.

Esse livro foi tão esperado por mim que nem sei por onde começar..
Depois dos três livros narrados pela nossa querida América, a mudança da personagem principal pode parecer beeem estranha.
 Muitas pessoas, assim como eu, estavam esperando um romance estilo Amerixon mas a princesa é totalmente contra a seleção, e isso leva o livro pra um outro caminho, que não deixa de ser bom. Se conseguirmos ignorar essas diferenças, a história se torna bem melhor.

Eadlyn sempre tenta ser forte, independente e autossuficiente (provavelmente pela criação de futura rainha que recebeu), o que não é ruim mas aquele discurso de "Você é a mulher mais poderosa que existe" zZzZZzzZzz... Nasceu com apenas sete minutos de diferença de seu irmão gêmeo Ahren e com isso herdou o trono e irá se tornar a rainha de Illéa.

Com a situação do país, a princesa é praticamente obrigada a participar da seleção e assim ajudar o pai a distrair o povo.
Ela já tinha planos para fazer da vida de seus pretendentes um inferno.  No entanto, o que Eady não imaginava era que seus 35 pretendentes iriam mexer tanto com seu estado emocional.

No decorrer da história, a princesa descobre que não é adorada por seus súditos como imaginava, pois muitos têm medo de seu futuro governo e com isso, a população começa a se voltar contra a monarquia.

Pra mim, um ponto negativo seria em relação ao tempo. Achei que o livro passou muito rápido e faltaram alguns detalhes. Em um piscar de olhos já tinha se passado uma semana, um mês..

Alguns personagens dos livros anteriores estão presentes, mas infelizmente não aparecem tanto :'(
E admito que achei graça das curiosidades da princesa sobre a seleção dos pais enquanto eu sei de tudo haha.

Mesmo sendo mimada, Eadlyn nos mostrou características interessantes. Desde o início ela  deixa claro que não precisa de um conto de fadas para para se sentir completa. Mas acima de tudo, ela demonstra a cada gesto o quanto ama o pai e quer lhe tirar o peso de governar o país sozinho, nem que para isso ela termine A Seleção com uma aliança no dedo. Também é muito bonita a ligação que ela tem com o irmão, mas às vezes pode exagerar um pouco :/

O final? Nossa.. eu realmente não esperava mas não fiquei tão surpresa já que li um spoiler sem querer :(
Minha única dúvida agora é.. #TeamKile ou #TeamErik ?
Vou parar por aqui pois já falei demais.

Espero que tenham gostado !

4 comentários

  1. kkkkkk "enquanto eu sei de tudo" é tão boa essa sensação ne?
    fui lendo e estava morrendo de medo de ter spoilers kkk
    ainda bem q vc parou antes

    ResponderExcluir
  2. Sou bastante apaixonada pela série A Seleção! Quero muito ler A Herdeira, mas ainda não comprei o livro . Adorei sua resenha e seu blog é lindo !

    ResponderExcluir